Rasecenemys

Blog Rasecenemys 2 WordPress.com

Arquivo para o mês “maio, 2017”

O mapa da América Latina sem o Brasil

No entanto, o Brasil, visto no mapa, aparece como a barriga do continente. Experimente imaginar a figura da América Latina sem o Brasil. Façam um teste com lápis e papel. Tudo fica desfigurado. Esse corpo robusto, compacto, maciço e cheio que forma o continente se transforma imediatamente em uma imagem irreconhecível, como uma serpente em pé ou um corpo privado do tronco e da barriga.

Pode-se discutir até o infinito sobre se existe a brasilidade, sobre se há duas Américas – a hispânica e a portuguesa. É inegável que dentro de um mesmo continente cada canto mantém sua idiossincrasia, suas características antropológicas e históricas.

A União Europeia é, por exemplo, na época moderna, a mais forte experiência de um continente unido, no qual até as fronteiras foram apagadas, com uma moeda única, um Governo e um Parlamento próprios e até um Banco Central.

E ninguém poderá dizer que a diversidade, não só de línguas, mas de identidades culturais e história, é menos disparatada do que a que existe entre Brasil e México, por exemplo. O que têm em comum a Suécia com a Grécia, ou Portugal com o Reino Unido ou a Holanda?

Brasil como um laboratório de análise das suas tendências de uma civilização nova que poderia estar surgindo, já que sua gente, me dizia, “trabalha para viver, e não vive só para trabalhar”. Um país com rara tolerância religiosa, uma enorme capacidade de aceitação do diferente, algo que é hoje o grande espinho castrador da Europa: o medo e a rejeição aos “outros”, considerados como os novos inimigos.

O Brasil não pode ser arrancado do mapa do continente, que ficaria muito feio sem ele, nem tampouco da nova experiência que está germinando e que explicaria esse fascínio atual dos europeus até pela vida pobre das favelas brasileiras, ricas em humanidade e criatividade, e que apontam, com todas as suas contradições, para valores de uma nova civilização em gestação.

Anúncios

Navegação de Posts