Rasecenemys

Blog Rasecenemys 2 WordPress.com

Arquivo para o mês “janeiro, 2009”

a mente humana

A mente humana grava e executa tudo que lhe é enviado, seja através de palavras, pensamentos ou atos, seus ou de terceiros, sejam positivos ou negativos, basta que você os aceite. Essa ação sempre acontecerá, independente se traga ou não resultados positivos para você.

Um cientista de Phoenix – Arizona – queria provar essa teoria. Precisava de um voluntário que chegasse às últimas conseqüências. Conseguiu um em uma penitenciaria. Era um condenado à morte que seria executado na penitenciária de St Louis no estado de Missouri onde existe pena de morte..

Propôs a ele o seguinte: ele participaria de uma experiência científica, na qual seria feito um pequeno corte em seu pulso, o suficiente para gotejar o seu sangue até a ultima gota final. Ele teria uma chance de sobreviver, caso o sangue coagulasse. Se isso acontecesse, ele seria libertado, caso contrário, ele iria falecer pela perda do sangue, porém, teria uma morte sem sofrimento e sem dor.

O condenado aceitou, pois era preferível do que morrer na cadeira elétrica e ainda teria uma chance de sobreviver.

O condenado foi colocado em uma cama alta, dessas de hospitais e amarraram o seu corpo para que não se movesse. Fizeram um pequeno corte em seu pulso. Abaixo do pulso, foi colocado uma pequena vasilha de alumínio. Foi dito a ele que ouviria o gotejar de seu sangue na vasilha. O corte foi superficial e não atingiu nenhuma artéria ou veia, mas foi o suficiente para ele sentisse que seu pulso fora cortado.

Sem que ele soubesse, debaixo da cama tinha um frasco de soro com uma pequena válvula. Ao cortarem o pulso, abriram a válvula do frasco para que ele acred itasse que era o sangue dele que está caindo na vasilha de alumínio. Na verdade, era o soro do frasco que gotejava.

De 10 em 10 minutos, o cientista, sem que o condenado visse, fechava um pouco a válvula do frasco e o condenado pensava que era seu sangue que estava diminuindo.

Com o passar do tempo, foi perdendo a cor e ficando fraco. Quando os cientistas fecharam por completo a válvula, o condenado teve uma parada cardíaca e faleceu, sem ter perdido sequer uma gota de sangue.

O cientista conseguiu provar que a mente humana cumpre, ao pé-da-letra, tudo que lhe é enviado e aceito pelo seu hospedeiro, seja positivo ou negativo e que a morte pode ser orgânica ou psíquica.

Essa história é um alerta para filtramos o que enviamos para nossa mente, pois ela não distingue o real da fantasia, o certo do errado, simplesmente grava e cumpre o que lhe é enviado.

revista "Super Interessante" de Julho 2002 .

 

"Quem pensa em fracassar, já fracassou mesmo antes de tentar".

 

Anúncios

as cinco capas que mais gosto

 

as cinco capas que mais gosto

as cinco capas que mais gosto

as cinco capas que mais gosto

as cinco capas que mais gosto

site elege as 50 melhores capas de disco da história

Veja a lista completa abaixo:1. Nevermind, Nirvana
2. Very Eavy, Uriah Heep
3. Never Mind the Bollocks, The Sex Pistols
4. London Calling, The Clash
5. Is This It, The Strokes
6. Licence to III, Beastie Boys
7. Abbey Road, The Beatles
8. Country Life, Roxy Music
9. Houses of the Holy, Led Zeppelin
10. The Velvet Underground & Nico, The Velvet Underground
11. Agaetis Byrjun, Sigur Rós
12. Breakfast In America, Supertramp
13. The Dark Side Of The Moon, Pink Floyd
14. Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band, The Beatles
15. Sticky Fingers, The Rolling Stones
16. Odelay, Beck
17. Unknown Pleasures, Joy Division
18. Aladdin Sane, David Bowie
19. Green Mind, Dinosaur Jr
20. Atom Heart Mother, Pink Floyd
21. The Libertines, The Libertines
22. The Holy Bible, Manic Street Preachers
23. The Cure, The Cure
24. Goo, Sonic Youth
25. Lovesexy, Prince
26. Revolver, The Beatles
27. Amnesiac, Radiohead
28. Mellon Collie and the Infinite Sadness, Smashing Pumpkins
29. Fugazi, Marillion
30. Number of the Beast, Iron Maiden
31. Pink Moon, Nick Drake
32. The Stone Roses, The Stone Roses
33. The Division Bell, Pink Floyd
34. Melt, Peter Gabriel
35. The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders From Mars, David Bowie
36. Different Class, Pulp
37. Ace of Spades, Motörhead
38. Rubycon, Tangerine Dream
39. Doggy Style, Snoop Dogg
40. Split, The Groundhogs
41. Surfer Rosa, Pixies
42. Henry¿s Dream, Nick Cave
43. Infected, The The
44. The Eraser, Thom Yorke
45. Alive!, Kiss
46. The Queen Is Dead, The Smiths
47. Road to Ruin, The Ramones
48. In Utero, Nirvana
49. The Teaches of Peaches, Peaches
50. In The Court of King Crimson, King Crimson

musica

O podcast do Hora do Rock estréia com o especial The Velvet Underground. Uma hora com músicas dos quatro discos da banda, além de muita história. Há 40 anos, em julho de 66, o Velvet Underground lançou o primeiro single, "All Tomorrow’s Parties". A canção faz parte do disco de estréia da banda, "The Velvet Underground & Nico", que apesar de ter sido gravado em 66, só saiu no ano seguinte por uma série de problemas. Inicialmente, a gravadora MGM teve problemas para conseguir confeccionar a capa que Andy Warhol tinha idealizado (a banana “descascável”). Quase um ano depois, o "The Velvet Underground & Nico" finalmente saiu, mas não demorou um mês para ser retirado das prateleiras, em função da contracapa que trazia uma imagem da banda tocando em uma apresentação do grupo performático Exploding Plastic Inevitable. A imagem era um frame de um dos filmes de Andy Warhol, e incluía um dos seus agregados, Eric Emmerson. Ele tinha sido preso por porte de drogas, precisava fazer uma grana e acionou judicialmente a gravadora, acusando a MGM de ter usado a imagem sem a sua permissão. O disco tinha até estreado bem, na posição 171 da Billboard, mas mesmo assim foi recolhido e relançado algum tempo depois, na mesma época que o "Sargent Pepper’s Lonely Hearts", dos Beatles – e ficou difícil para competir. O mais importante é que o famoso disco da banana permanece até hoje como um dos álbuns de estréia mais marcantes da história da música, e certamente um dos mais influentes do rock. Como disse Brian Eno, e muitas pessoas repetiram depois, não houve muita gente que comprasse o disco quando ele foi lançado, mas quem comprou montou uma banda. Embora a formação clássica do Velvet seja com Lou Reed, John Cale, Sterling Morrisson e Maureen Tucker, o grupo teve outro baterista, Angus MacLise. Ele foi apresentado por um amigo em comum a John Cale, à época recém chegado do seu lugar de origem, o País de Gales. Lou Reed, John Cale e MacLise se reuniram em 65 e começaram a tocar algumas composições, como "Heroin", e antes de The Velvet Underground, eles chamaram a banda de Warlocks e Falling Spikes.

100 capas

As melhores (e algumas das piores) capas de discos da história

Todas as listas são polêmicas e incompletas. Não poderia ser diferente, pois, o caráter desta matéria do site Gigwise: Top 50 Capas de Discos de Todos os Tempos. Segundo o site, a melhor capa da história é a de Nevermind, do Nirvana, descrita como a imagem definitiva dos anos 90: "um inocente bebê que foi corrompido pelo dinheiro".

O álbum que marcou em definitivo os anos 90

Trata-se de uma boa escolha, sem dúvida nenhuma. Mas prefiro a opção feita pela revista Rolling Stone, que em novembro de 1991 (mesmo ano em que Nevermind foi lançado) publicou uma matéria especial com as 100 Melhores Capas de Álbuns, e elegeu como número 1 aquela que é provavelmente a mais conhecida de todas: a capa de Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles (que ficou apenas na posição 14 segundo a lista da Gigwise).

A capa concebida pelo artista plástico Peter Blake para o Fab Four

Em 2005, a finada revista Bizz também resolveu fazer sua lista. Encabeçando seu top 100 de melhores capas, uma outra boa escolha. The Velvet Underground & Nico, disco de 1967 também chamado de "Banana Album" devido à ilustração que Andy Warhol fez para a capa: uma banana que podia ser "descascada", revelando uma fruta sugestivamente rosada. Este trabalho ficou em décimo lugar em ambas as listas da Gigwise e Rolling Stone.

A banana que Andy Warhol criou para o Velvet Underground

O levantamento feito pela Bizz classifica a capa de London Calling, do Clash, em segundo lugar (elencada na posição 4 pela Gigwise e 39 pela Rolling Stone), e cita em seguida dois discos brasileiros. Verde que Te Quero Rosa (1977), de Cartola, é o terceiro lugar.

Melhor capa de um álbum brasileiro segundo a revista Bizz

A seguir, vem a capa do álbum de estréia dos Secos & Molhados, de 1973.

Capa do álbum de estréia da banda que revelou Ney Matogrosso

Como Internet é um território democrático onde se encontra de tudo, não poderia faltar um site especializado em reunir as piores capas de todos os tempos. Deleite-se, pois, com o Museum of Bad Album Covers. Ou não.

Clique aqui para ver esta capa em tamanho maior.Clique aqui para ver esta capa em tamanho maior.

Clique aqui para ver esta capa em tamanho maior.Clique aqui para ver esta capa em tamanho maior.

Para encerrar este post, cito aquelas que considero ser as duas melhores capas de álbuns de 2007 até agora: Our Love to Admire (Interpol) e Cease to Begin (Band of Horses).

Our Love to Admire, álbum de 2007 do InterpolCease to Begin, álbum de 2007 da Band of Horses

P.S. 1: Segundo matéria do G1, as grandes ausências da lista de melhores da Gigwise foram Horses, de Patti Smith, e Eletric Ladyland, de Jimi Hendrix. E você, citaria qual injustiça?

P.S. 2: Já que citei Velvet Underground, aproveito para recomendar uma visita ao podcast Hora de Rock, que nesta edição faz um belo apanhado da carreira desta banda venerada por blogueiros como Idelber e Biajoni.

100 capas

Algumas das que eu mais gosto: 

 

 

Navegação de Posts